8 mar, 2018
por Daniel Geraldes
47
13561

Adeus biodiesel de palma?

Uma possível proibição ao óleo de palma no biodiesel da União Europeia significaria que a Indonésia e a Malásia precisam encontrar mercados alternativos de exportação de óleo de palma bruto (CPO) para cerca de 2,6 milhões de toneladas. Se a UE realmente proibir o óleo de palma em Biodiesel, o óleo de colza e o óleo de soja serão os prováveis vencedores, provocando mudanças nos fluxos comerciais e volumes de esmagamento, uma vez que a UE precisará dessas alternativas para a produção de biodiesel. O etanol na UE e alguns outros combustíveis alternativos também podem ser impulsionados.

Outro desafio para CPO e biodiesel da UE

Em janeiro deste ano, o Parlamento da UE votou uma resolução que proibiria o uso de óleo de palma como matéria-prima no biodiesel a partir de janeiro de 2021. Esta resolução ainda não é definitiva. Nos próximos meses, esta medida será objeto de negociações tripartidas entre o Parlamento, a Comissão da UE e o Conselho da UE. Para tornar-se lei oficial, isto é, em âmbito internacional, a medida deve cumprir as regras da OMC, o que poderia proibir a interdição das importações de óleo de palma. Supondo que a lei final irá proibir o óleo de palma como matéria-prima, o impacto será bastante significativo porque o óleo de palma representa 3,5 milhões de toneladas ou cerca de 27% da matéria-prima total de biodiesel da UE. Isso também teria um grande impacto nos produtores de palma.

Possíveis implicações para Malásia e Indonésia
As importações de óleo de palma para os países da UE apresentaram uma baixa tendência nos últimos anos à medida que a demanda por óleo de palma estagnou. A demanda por óleo de palma bruto (CPO) como matéria-prima para biodiesel, especificamente, foi constante desde 2014 .
Se a resolução do Parlamento da UE se tornar lei, a Indonésia e a Malásia serão fortemente impactadas, já que a UE representou 2,6 milhões de toneladas ou 29% das exportações combinadas de CPO de ambos os países em 2016 (ver Figura 3). Os países da UE obtiveram as restantes 0,9 milhões de toneladas de outros países em 2016. Portanto, é importante que a Indonésia e a Malásia busquem mercados alternativos de exportação de CPO. As exportações de CPO representaram 25% do óleo de palma total de ambos os países em 2016, enquanto o óleo de palma refinado representou os 75% restantes.

Alternativas ao óleo de palma no biodiesel da UE?
A queda de 3,5 milhões de toneladas de CPO para biodiesel precisaria ser compensada com opções alternativas e matérias-primas. É provável que vejamos uma combinação das seguintes alternativas:

• Se substituído apenas por colza, seria necessário um esmagamento adicional de 8,2 milhões de toneladas na UE. Estes deverão ser provenientes de uma área adicional de colza (embora não seja possível uma expansão de cerca de 30% na colheita de colza da UE) e importações significativamente mais elevadas de colza (a UE já representa 4 milhões de toneladas, ou 25% das importações globais, mas precisaria atingir 75% de market share).

• As importações de óleo de colza teriam que aumentar, mas basicamente exigiriam que quase todas as 4 milhões de toneladas do mercado global de óleo de colza fossem enviadas para a UE.
Importações adicionais de óleo de soja da América do Norte e da América do Sul provavelmente afetarão as importações de óleo de girassol devido ao aumento dos preços do óleo de girassol.

• As importações de biodiesel da Argentina parecem alternativas viáveis. Em 2010, a UE importou 1,2 milhões de toneladas de biodiesel da Argentina. No ano passado, a Comissão da UE baixou novamente os direitos anti-dumping para o biodiesel argentino. No entanto, em janeiro deste ano, foi lançada outra investigação para avaliar os subsídios injustos aos exportadores argentinos de biodiesel.

• O óleo residual já é uma matéria-prima importante para o biodiesel, mas este não é um mercado infinito e já mostrou um crescimento lento nos últimos anos.

• Um aumento do uso de etanol também é provável, já que a UE tem apenas um objetivo de biocombustíveis, o que não diferencia o biodiesel e o etanol. No entanto, isso será limitado devido aos menores volumes de gasolina no mercado da UE e ao fato dos países da UE ainda terem obrigações para combustíveis.

• Finalmente, outros combustíveis alternativos como eletricidade, podem ganhar mais tração.

Fonte: Rabobank

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Graxaria
  • Óleos e Gorduras
  • Pet Food
  • Aqua Feed
  • Animal Feed
  • Espuma
Aguarde...

Cadastre-se

Aguarde...

Esqueci minha senha

Aguarde...
Translate »