12 nov, 2018
por Daniel Geraldes
54
314

Bunge e o seu bem-sucedido programa de sustentabilidade

Bunge e o seu bem-sucedido programa de sustentabilidade na cadeia de óleos e gorduras.

Guiada pela plataforma global “Agir, Conservar e Engajar”, a companhia tem um dos maiores desafios do mundo contemporâneo: garantir a alimentação de uma população em crescimento, melhorando a sustentabilidade de toda a cadeia.

Por: Lia Freire


Tendo na sustentabilidade parte da sua estratégia de negócio, a Bunge busca continuamente a promoção de crescimento de forma responsável com o objetivo de conciliar o desenvolvimento econômico e socioambiental, fortalecendo a governança e trazendo benefícios para a sociedade. “Como líderes do setor, temos a grande missão de garantir de forma segura e responsável a alimentação e o fornecimento de bioenergia a uma população em constante crescimento. O desafio é grande, sendo necessário muito mais do que uma empresa ou um governo para superá-lo. Temos como expectativa buscar continuamente soluções e inovações que promovam um desempenho cada vez mais viável considerando as variáveis econômica e socioambiental”, declara Meire Ferreira, Gerente de Sustentabilidade da Bunge em entrevista à Revista Óleos & Gorduras.

Revista Óleos & Gorduras – Como a Bunge trabalha a sua gestão da sustentabilidade?

Meire Ferreira – Nós, da Bunge, acreditamos que o crescimento do negócio deva estar sempre alinhado às práticas de sustentabilidade e ao fortalecimento da governança. Temos como missão melhorar a vida de milhões de pessoas, contribuindo para o aumento sustentável da oferta de alimentos e bioenergia e aprimorar a cadeia global de alimentos e do agronegócio. Em linha com este pensamento, nossas ações são guiadas pela plataforma global “Act, Conserve and Engage” (Agir, Conservar e Engajar) e nossos esforços estão concentrados em quatro áreas:

  •   Reportes e Governança: melhorar continuamente a governança corporativa e promover a transparência das nossas atividades.
  • Pessoas e Comunidade: foco na promoção de um ambiente de trabalho seguro, justo, diverso e colaborativo, além de estabelecer relacionamentos construtivos com as comunidades onde operamos.
  •   Meio Ambiente: buscamos a eficiência no uso dos recursos naturais para produzir o menor impacto possível em nossas operações.
  •  Agricultura Sustentável: temos como meta eliminar o desflorestamento e promover práticas mais sustentáveis, conservando a biodiversidade e respeitando os direitos humanos.

Revista Óleos & Gorduras – Como são trabalhadas as áreas de monitoramento e controle de grãos; melhoria de performance corporativa e de ações pós-consumo da Bunge e quais as relações com a gestão de sustentabilidade?

Meire Ferreira – Temos a sustentabilidade como parte da nossa estratégia de negócio, buscando continuamente a promoção de crescimento de forma responsável com o objetivo de conciliar o desenvolvimento econômico e socioambiental, fortalecendo a governança e trazendo benefícios para a sociedade. Ela está presente no modelo de inovação de nossos produtos, nos processos de gestão das áreas, no trabalho com fornecedores, no desenvolvimento de pessoas e em nossas análises contínuas sobre o negócio.

Enfim, buscamos todos os dias avançar e fortalecer cada vez mais nossas práticas de forma a manter o equilíbrio sustentável do negócio. O nosso compromisso começa no campo, com a comercialização, transporte, armazenagem e processamento de grãos e chega à mesa dos consumidores por meio de produtos e marcas como Soya, Salsaretti, Primor e Delícia, que as famílias conhecem e confiam.

Com o grande desafio de garantir de forma segura a alimentação e o fornecimento de bioenergia a uma população em constante crescimento, entendemos que devemos extrapolar nossas fronteiras, tanto por meio de parcerias institucionais, como por meio de nossas marcas, com ações como Programa Soya Recicla, maior programa de mobilização e coleta voluntária de óleo vegetal do Brasil que atende 114 cidades dos estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Ceará, Bahia e Minas Gerais.

Entre 2006 (ano de criação do programa) e 2017, o Soya Recicla contabilizou  4,8 milhões de litros destinados à produção de biodiesel e mais de 3,5 milhões de unidades de sabão produzidos com o óleo coletado; 1,8 milhões de kits de sabão reciclado distribuídos; redução de 73 milhões de kg de CO2 eq., o que corresponde a emissão de mais 193 mil automóveis populares; desde a criação do programa, o volume coletado de óleo cresce em média 20% a cada ano e 141,7 milhões de metros cúbicos de água foram preservados, o equivalente a 56,6 mil piscinas olímpicas de água.

Revista Óleos & Gorduras – O consumidor brasileiro está mais atento em relação às questões de sustentabilidade? Qual é a percepção da empresa sobre esse assunto?

Meire Ferreira – O consumidor está cada vez mais atento, sim, e isso é ótimo, pois reconhece empresas que têm preocupação genuína com o tema. E essa atenção nos indica que estamos no caminho certo e nos motiva a inovar a cada dia em busca de uma relação cada vez mais consciente sobre os desafios e benefícios gerados, sempre partindo da equação do equilíbrio econômico e socioambiental que é inerente às operações como as da Bunge.
 

Revista Óleos & Gorduras – Para que realmente funcionem, os programas de gestão de sustentabilidade necessitam de plataformas colaborativas. Quais são, como operam e onde estão essas plataformas que atuam nos projetos da Bunge?

Meire Ferreira – Como comentei anteriormente, como líderes do setor, temos a grande missão de garantir de forma segura e responsável a alimentação e o fornecimento de bioenergia a uma população em constante crescimento. Sabemos que o desafio é grande e que é preciso muito mais do que uma empresa ou um governo para superá-lo. Em linha com este pensamento, apostamos no trabalho colaborativo e na construção de alianças sólidas por meio de parcerias institucionais, como:

  • Programa Caminhos Sustentáveis: ao lado da The Nature Conservancy (TNC), a iniciativa ajudou produtores rurais e governos municipais da Bahia, Mato Grosso e Pará a cumprir o Código Florestal, melhorar a sustentabilidade ambiental das práticas agrícolas e a gestão territorial de regiões produtoras de grãos. Em cinco anos de trabalho, a iniciativa resultou na expansão do Cadastro Ambiental Rural (CAR), o primeiro passo para a regularização ambiental das propriedades, e a entrega gratuita a diversas prefeituras dos Portais Ambientais Municipais, um programa que otimiza a gestão de dados sobre as propriedades e seus passivos ambientais de forma a melhorar o planejamento territorial.
  • Programa Soya Recicla: em conjunto com o Instituto Triângulo criamos o maior programa de mobilização e coleta voluntária de óleo vegetal do Brasil. Em onze anos, o programa se consolidou e chegou a marca de mais de cinco milhões de litros de óleo reciclados.
  • Programa Soja Plus: por meio da ABIOVE – Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais, a iniciativa visa disseminar boas práticas agrícolas e de gestão econômica, social e ambiental a produtores rurais.
  • Guia on-line de Boas Práticas Agrícolas: ao lado da The Nature Conservancy (TNC), a iniciativa visa ajudar produtores rurais a ampliar a produtividade e a sustentabilidade no campo.
  • Portal Agroideal.org: novamente em parceria com a The Nature Conservancy (TNC), a iniciativa visa ajudar empresas do setor de soja a fazerem escolhas com base em informações socioambientais mais qualificadas e investimentos mais equilibrados de acordo com as variáveis econômica e socioambiental em seu processo de planejamento de originação de grãos.
  • Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel: em parceria com o Governo Federal e da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead), a iniciativa visa promover a inserção qualificada de agricultores familiares na cadeia de produção do biodiesel.Também participamos e assinamos importantes acordos, como os mencionados a seguir:

 

  • Redução de sódio e açúcares em alimentos processados: promovemos estudos e discussões em prol da redução de sódio e açúcar nos alimentos de nossa marca.
  • Pacto da moratória da soja: assinamos, por meio da ABIOVE, um compromisso que prevê restrições à soja produzida em áreas desflorestadas do bioma Amazônia.
  • Protocolo verde dos grãos no estado do Pará: assinamos, por meio da ABIOVE, o protocolo de responsabilidade socioambiental para os grãos provenientes da agricultura local.
  • Melhores práticas no campo: assinamos um compromisso nacional que visa as melhores condições de trabalho para os profissionais que trabalham no campo, mais precisamente na extração de cana-de-açúcar.
  • Acordo Setorial de Embalagens: ao lado da ABIOVE e ABIA – Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação -, trabalhamos para implementar o Programa de Logística Reversa de Embalagens pós-consumo.
     

Revista Óleos & Gorduras – A empresa está com novidades ou projeta algo novo para a área de sustentabilidade?

Meire Ferreira – Temos como expectativa buscar continuamente soluções e inovações que promovam um desempenho cada vez mais viável considerando as variáveis econômica e socioambiental, que reduzam o impacto negativo das nossas operações, fortaleçam a governança e gerem valor ao longo de nossa cadeia produtiva. Mas não há nada que possamos adiantar no momento.
 

Revista Óleos & Gorduras – Quais são os recentes investimentos realizados pela Bunge para a área de sustentabilidade?

Meire Ferreira – Conforme comentei anteriormente, a sustentabilidade permeia toda a nossa estratégia de negócio. Além do trabalho das nossas marcas, como Soya com o programa Soya Recicla, apostamos na construção de alianças sólidas por meio de parcerias institucionais, que já mencionei aqui. E há novidades como o projeto Caminhos Sustentáveis, o lançamento do Guia de Boas Práticas Agrícolas e a ferramenta on-line Agroideal.org.
 

Revista Óleos & Gorduras – Quais são os desafios a serem trabalhados no âmbito da sustentabilidade?

Meire Ferreira – Nós, da Bunge, trabalhamos diante de um dos maiores desafios do mundo contemporâneo: garantir a alimentação de uma população em crescimento, melhorando a sustentabilidade de toda a cadeia. Para isso, como comentei anteriormente, concentramos nossos esforços em quatro áreas: Reportes e Governança; Pessoas e Comunidade; Meio Ambiente; e Agricultura Sustentável.
 

Revista Óleos & Gorduras – A Bunge realiza algum trabalho que visa à conscientização das pessoas?

Meire Ferreira – Sim. O Soya Recicla é um exemplo de ação institucional da Bunge destinada à conscientização de pessoas. Com mais de uma década de existência, o Soya Recicla se consolida como o maior programa de mobilização e coleta voluntária de óleo vegetal do Brasil. Em 2017, atingiu a marca de 5,3 milhões de litros de óleo coletados e reciclados, sendo 4,8 milhões destinados à produção de biodiesel. Para 2018, a expectativa é de bater a marca de 6,4 milhões de litros reciclados. Outra iniciativa da Bunge destinado à conscientização das pessoas, é o Programa Bunge Natureza.

Criado em 2006, tem como missão promover a educação ambiental entre os colaboradores e as comunidades de entorno de algumas de nossas operações. As iniciativas do programa já contribuíram para arrecadação de mais de 600 mil toneladas de resíduos recicláveis e contou com a participação de mais de 79 mil pessoas desde a sua criação. Atualmente, está sendo reestruturado e contará com a participação da unidade de Jaguaré, localizado na Zona Oeste da cidade de São Paulo.

Também vale citar o Programa Caminhos Sustentáveis que ajudou produtores rurais e governos municipais da Bahia, Mato Grosso e Pará a cumprirem o Código Florestal, melhorar a sustentabilidade ambiental das práticas agrícolas e a gestão territorial de regiões produtoras de grãos. Em cinco anos de trabalho, a iniciativa resultou na expansão do Cadastro Ambiental Rural (CAR), o primeiro passo para a regularização ambiental das propriedades, e a entrega gratuita a diversas prefeituras dos Portais Ambientais Municipais, um programa que otimiza a gestão de dados sobre as propriedades e seus passivos ambientais de forma a melhorar o planejamento territorial.

 

Revista Óleos & Gorduras – Quais as próximas metas e objetivos da Bunge para a área de sustentabilidade?

Meire Ferreira – Continuamos trabalhando muito para expandir cada vez mais nossos processos e projetos da área de sustentabilidade, com o envolvimento direto de outras áreas de negócio na execução dos projetos, permeando toda a empresa. Queremos continuar sendo uma empresa segura, rentável e eficiente, reduzindo os impactos ao meio ambiente às comunidades onde atuamos.


DESTAQUE DA ENTREVISTA

“Entre 2006 (ano de criação do programa) e 2017, o Soya Recicla contabilizou  4,8 milhões de litros destinados à produção de biodiesel e mais de 3,5 milhões de unidades de sabão produzidos com o óleo coletado.” 

“O nosso compromisso começa no campo, com a comercialização, transporte, armazenagem e processamento de grãos e chega à mesa dos consumidores por meio de produtos e marcas.”

PUBLICAÇÃO EXCLUSIVA DA REVISTA ÓLEOS & GORDURAS – EDIÇÃO JULHO/AGOSTO DE 2018.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Graxaria
  • Óleos e Gorduras
  • Pet Food
  • Aqua Feed
  • Animal Feed
  • Espuma
Aguarde...

Cadastre-se

Aguarde...

Esqueci minha senha

Aguarde...
Translate »