13 dez, 2017
por Daniel Geraldes
116
2266

Automação na linha de Ensaque e Carregamento a Granel

Finalizando a nossa série de reportagens desse ano sobre automação industrial, vamos falar um pouco sobre carregamento a granel e a novidade no mercado de ração pet o robô para fazer paletização automática.

Para entrar nesse assunto, o último de 2017, vamos relembrar um pouco do que falamos esse ano.

O que é automação industrial:

Automação industrial é a aplicação de técnicas, softwares e/ou equipamentos específicos em uma determinada máquina ou processo industrial, com o objetivo de aumentar a sua eficiência, maximizar a produção com o menor consumo de energia e/ou matérias primas, diminuir a emissão de resíduos de qualquer espécie, melhorar as condições de segurança, seja material, humana ou das informações referentes a esse processo, ou ainda, reduzir o esforço ou a interferência humana sobre esse processo ou máquina. É um passo além da mecanização, onde operadores humanos são providos de maquinário para auxiliá-los em seu trabalho.

Automatização pode ser o mais simples possível, como fazer a interligação elétrica de equipamentos, ou operar toda uma planta industrial com apenas um operador trabalhando na mesa de comando.

A automação possui muitas camadas, quanto mais complexo for o controle industrial menos pessoas estarão trabalhando dentro das plantas industriais.

Hoje, onde aplicamos a automação dentro das fábricas de ração?

Hoje a automação mais simples que podemos programar é a intercomunicação entre os equipamentos, liga/desliga de acordo com o nível do silo e/ou a presença ou não de produtos. Posteriormente, passamos para o controle de dosagem e pesagem dos ingredientes da fábrica de ração utilizando células de carga e controles de velocidade, e por último, a manutenção constante dos transportadores, através dos sensores de nível e movimento. Caso um equipamento quebre, a fábrica precisa se desligar automaticamente, para que não haja o desperdício de produto durante o processo produtivo.

Essa inovação, é o mínimo, que uma boa empresa, fornecedora de fábrica de ração, deve entregar aos clientes, hoje, garantindo a segurança nos processos dessa fábrica.

Algumas empresas estão além desse processo de automação. Essas empresas conseguem fornecer um pouco mais de dados ao cliente para que ele possa ter um melhor controle de sua linha de produção.

As linhas de produção mais automatizadas conseguem fornecer dados do quanto de matéria prima foi usada para no processamento, quanto foi o produto final, o que gerou de resíduo, quanta água foi incorporada e perdida durante o processo, qual operador foi mais produtivo. Esse é um tema que gostaria de abordar em um texto futuro, a Automação x Produtividade humana.

Há empresas no Brasil e no mundo que alcançaram um nível muito elevado de automação. Algumas recebem essas informações através de aplicativos, e em caso de emergência, conseguem controlar uma extrusora pelo celular remotamente. Eu já utilizei essa inovação e acredito que é uma boa opção para gerentes industriais.

Finalizando esse assunto, gostaria de apresentar, os avanços no processo de ensaque e carregamento a granel das fábricas de ração. A novidade, o que é mais utilizado nas fábricas atualmente, e como elas podem ajudar na obtenção de lucro na empresa.

Carregamento a Granel:

O carregamento a granel é o processo de carregamento de toda a ração que é entregue ao cliente através de caminhões. As fábricas que mais utilizam esse tipo de carregamento são que fabricam ração para avicultura-poedeira (farelada) e avicultura-corte (peletizada), ração para peixe (extrusada) e em raros casos para ração bovina.

Esse sistema é utilizado porque o cliente precisa de um grande volume de ração e que será consumido rapidamente. Essa ração normalmente é separada por formulação, na qual foi produzida, e é armazenada em pequenos silos dentro das propriedades e/ou granjas.

Quando o caminhão chega para carregar a ração ele é estacionado em um determinado ponto da pista de carregamento e um robô (O robô nada mais é que uma caçamba de pesagem que se movimento na horizontal em um trilho pré-determinado, ele executa a função de pesagem das rações fareladas, peletizada ou extrusadas antes de descarregar na caçamba do caminhão.) começa a se movimentar procurando qual silo está cheio para que ele possa carregar de ração.

Normalmente, esses robôs são vendidos com volume de pesagem de 2.000 e 3.000 Kg, agilizando o carregamento e diminuindo a margem de erro na pesagem. Finalizado a pesagem, o robô localiza o caminhão e realiza o descarregamento dentro da caçamba. A cada pesagem que a balança realiza e descarrega na caçamba do caminhão o valor é informado ao sistema financeiro da empresa que fica responsável por fazer a nota do produto que está saindo. Algumas empresas ainda fazem uma pesagem de conferência na saída do caminhão só para confirmar o que o robô pesou.

Linha de ensaque:

A grande dor de cabeça das empresas de ração sempre foi a linha de ensaque. Esse é um setor que sempre teve uma demanda alta de funcionários, pois necessita de agilidade para não parar o processo, ou sobrecarregar o silo pulmão. O equipamento precisa ser de confiança, até bem pouco tempo as empresas utilizavam ensacadeiras mecânicas. Essas ensacadeiras usavam um contrapeso como fiel que sempre desregulava ao longo do processo, fazendo com que o operador fosse obrigado a completar o volume do saco de ração ou retirar o excesso. Atualmente, as ensacadeiras são todas eletrônicas e com sistema inteligente de pesagem. Através de célula de carga e dosagem inteligente o peso dificilmente fica fora do padrão pré determinado para operador, não sendo necessária a interferência do humana para corrigir o peso.

Esses equipamentos sempre trabalham com todos os tipos de ração, basta que no início do processo sejam calibrados para que reconheçam o produto indicado e consiga fazer uma pesagem exata do que foi programado. A margem de erro é baixíssima nesses equipamentos, o que garante a confiabilidade, a rentabilidade em curto prazo e agilidade no processo. Há maquinas no mercado que alcançam o volume de 700 sacos por hora, dependendo do tipo de produto e volume que esta sendo trabalhado. A partir do processo de pesagem não houve muitas melhoras, continuam o mesmo sistema para selagem dos sacos ou costura.

Paletização Automatizada:

A grande novidade do mercado interno é o sistema de paletização. Esse sistema fica interligado com o sistema de ensaque, de forma que o operado faz a pesagem do saco e já coloca o saco na esteira para fazer a selagem ou costura da embalagem.  Após esse processo o sistema de paletização automatizado faz todo o transporte e empilhamento das embalagens de ração em cima do palete.

Através de um sistema de esteiras de transportes e sensores, um braço robotizado, com uma mão em forma de garra, consegue abraçar o saco de ração e transporta-lo para o palete e empilhá-lo de forma que ele não tombe e nem fique torto, ficando a cargo do operador de empilhadeira somente levar o palete para o galpão de estocagem.

Atualmente as empresas de ração, no setor de ensaque, trabalham com 4-5 pessoas, sendo uma na ensacadeira e o restante selando o saco e paletizando as embalagens.

Com a implantação desse robô é possível diminuir para 2-3 pessoas para cada linha de ensaque dentro da empresa, e com isso reduzir custos e aumentar a produtividade.

A linha completa de paletização robotizada pode paletizar até 13 sacos por minuto – ou 800 sacos por hora.

Na ração extrusada (pet-peixe) pode-se trabalhar com sacos de até 25 Kg, atingindo uma produção máxima de 20 ton/h. Quando se trabalha com sacos de até 15 Kg, a capacidade produtiva máxima é de 12 ton/h.

Na ração peletizada ou farelada, o volume da embalagem pode chegar até 40 Kg, o sistema de paletização atinge uma produção de até 32 ton/hora.

Segue o vídeo abaixo:

https://www.youtube.com/watch?v=qaMIupBIz08

Hoje, um bom sistema como esse, alinhado a uma boa empacotadeira, faz grande diferença para o sistema produtivo das fábricas de ração. O tempo despendido na linha de ensaque agiliza pedidos e, às vezes, aumenta a produção da empresa, por conta da agilidade no fim do processo. Agradeço a todos que me acompanhou esse ano nessa série e matérias sobre automação em fábrica de ração e que no próximo ano possamos continuar juntos para desenvolver novos trabalhos. Feliz Natal e um 2018 cheio de prosperidade, realizações e com muita saúde a todos!!!!

Colunistas

  • Graxaria
  • Óleos e Gorduras
  • Pet Food
  • Aqua Feed
  • Animal Feed
  • Espuma
Aguarde...

Cadastre-se

Aguarde...

Esqueci minha senha

Aguarde...
Translate »