13 out, 2021
por Daniel Geraldes
141
1238

IBGE projeta safra de grãos em 250,9 MI de toneladas

Em setembro, a produção de cereais, leguminosas e oleaginosas estimada para 2021 teve nova queda ante o mês anterior (-0,3%%, ou 752,5 mil toneladas). Com isso, a safra deve alcançar 250,9 milhões de toneladas, ficando 1,3% abaixo (3,2 milhões de toneladas a menos) da produção recorde de 2020 (254,1 milhões de toneladas). O Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), do IBGE, mostra que a área a ser colhida é de 68,3 milhões de hectares, 4,4% maior (2,9 milhões de hectares) que a de 2020. Ante o mês anterior, a área a ser colhida cresceu 0,1% (55,7 mil hectares).

O arroz, o milho e a soja, os três principais produtos deste grupo, representam 92,4% da estimativa da produção e respondem por 87,7% da área a ser colhida. Em relação a 2020, houve acréscimos de 6,1% na área do milho (1,4% na primeira safra e 7,8% na segunda) e de 4,8% na área da soja. Por outro lado, houve declínios de 16,0% na área do algodão herbáceo e estabilidade na área do arroz.

Na produção, houve altas de 10,3% para a soja – que deve chegar ao recorde de 134,0 milhões de toneladas – e de 4,4% para o arroz em casca, que deverá totalizar 11,5 milhões de toneladas. Já para o algodão herbáceo estima-se queda de 17,5% e, para o milho, recuo de 16,4%, sendo -3,2% na primeira safra e -21,0% na segunda.

A informação de setembro para a safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas de 2021 foi de 250,9 milhões de toneladas e uma área colhida de 68,3 milhões de hectares. Em relação a 2020, a área a ser colhida cresceu 4,4% (2,9 milhões de hectares). Frente ao previsto no mês anterior, houve alta de 55,7 mil hectares (0,1%).

As regiões Sul (5,4%), Nordeste (1,7%) e Norte (1,3%) tiveram altas em suas estimativas este mês. Sendo que a primeira deve produzir 77,1 milhões de toneladas (30,7% do total nacional); a segunda, 23,0 milhões de toneladas (9,2% do total), e a terceira, 11,1 milhões de toneladas (4,4% do total).

Por outro lado, no Centro-Oeste, maior produtor (45,7% do total nacional), espera-se novo declínio (-5,8%), devendo concluir 2021 com uma safra de 114,7 milhões de toneladas. Também houve declínio no Sudeste (-2,6%), com produção estimada em 25,1 milhões de toneladas (10,0% do total nacional).

Mato Grosso lidera a produção nacional de grãos, com participação de 28,5%, seguido pelo Rio Grande do Sul (15,0%), Paraná (13,3%), Goiás (9,2%), Mato Grosso do Sul (7,7%) e Minas Gerais (6,1%), que, somados, representam 79,8% do total nacional. As variações positivas nas estimativas da produção, frente ao mês anterior, ocorreram em Mato Grosso (609,8 mil toneladas), Rio Grande do Sul (176,3 mil toneladas), Rondônia (32,9 mil toneladas), Pernambuco (578 toneladas), Distrito Federal (210 toneladas), Espírito Santo (208 toneladas) e Rio Grande do Norte (11 toneladas).

Já as variações negativas ocorreram no Paraná (-597,7 mil toneladas), São Paulo (-515,2 mil toneladas), Goiás (-269,2 mil toneladas), Minas Gerais (-169,6 mil toneladas), Alagoas (-8,7 mil toneladas), Maranhão (-4,4 mil toneladas), Ceará (-3,1 mil toneladas), Bahia (-3 mil toneladas), Sergipe (-1,5 mil toneladas), Acre (-85 toneladas), e Amapá (-50 toneladas).

Destaques na estimativa de setembro de 2021 em relação a agosto

Em setembro, destacaram-se as variações positivas nas seguintes estimativas de produção frente a agosto: feijão 3ª safra (6,0% ou 33,8 mil toneladas), tomate (4,3% ou 163, 6 mil toneladas), café canephora (1,7% ou 15,4 mil toneladas), feijão 2ª safra (1,6% ou 15,0 mil toneladas), milho 1ª safra (0,9% ou 232,1 mil toneladas),feijão 1ª safra (0,3% ou 3,0 mil toneladas), soja (0,2% ou 268,7 mil toneladas) e cevada (0,1% ou 657 toneladas).

Por outro lado, espera-se quedas na produção de laranja (-7,2% ou 1,1 milhão de toneladas), cana-de-açúcar (-3,8% ou 24,6 milhões de toneladas), café arábica (-3,1% ou 62,9 mil toneladas), milho 2ª safra (-2,0% ou 1,2 milhão de toneladas), aveia (-1,1% ou 11,5 mil toneladas), algodão (-1,0% ou 60,2 mil toneladas) e trigo (-0,6% ou 46,9 mil toneladas).

Por: Eliza Maliszewski | Agrolink

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Graxaria
  • Óleos e Gorduras
  • Pet Food
  • Aqua Feed
  • Animal Feed
  • Espuma
Aguarde...

Cadastre-se

Aguarde...

Esqueci minha senha

Aguarde...
Translate »
×

Olá, como posso te ajudar?

Clique abaixo para falar conosco pelo WhatsApp.

× Como posso te ajudar?